segunda-feira, 28 de junho de 2010

Max Stirner


- Qualquer um que se tornará livre deve libertar-se por si próprio. Liberdade não é um presente das fadas que cairá no colo do homem. O que é liberdade? Possuir a vontade de ser responsável por si próprio.

- Força é uma coisa boa, e útil para vários propósitos; porque ‘se vai mais longe com um pouco de força do que com um monte de direitos’.

- O Estado chama sua própria violência de lei, mas a do indivíduo de crime.

- Agora, no contrário, quando todos se cultivarem como homens, condenar um homem a um trabalho quase mecânico é o mesmo que escravidão. Se um operário deve se cansar até a morte por doze horas ou mais, ele está impedido de se tornar um homem. Todo trabalho deve ter o propósito de que o homem seja satisfeito (...). Seu trabalho não é nada por si próprio, não é objeto por si próprio, nada completo em si próprio; ele trabalhar para as mãos de outro, e é usado (explorado) por esse outro.

- Eu digo: liberte-se o máximo que conseguir, e você terá feito a sua parte; porque não é para todos quebrar através de todos os limites, ou, mais claramente, não é o limite de cada um, o mesmo limite do resto. Conseqüentemente, não se canse lutando com os limites dos outros, o suficiente é você destruir os seus. (...) Aquele que supera um de seus limites pode ter mostrado aos outros a maneira e os meios; a superação do limite deles é assunto deles.

- Se um homem põe sua honra primeiramente sobre si próprio, conhecendo a si próprio, aplicando a si próprio, em independência, auto-desenvolvimento, e liberdade, então ele tenta se livrar da ignorância que faz de um objeto estranho e impenetrável uma barreira e um impedimento ao seu autoconhecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário